Cultivo de feijão: cuidados na fase de implantação da lavoura

Um dos cultivos de maior importância econômica, cultural e social, o feijão está difundido por todo território brasileiro, sendo o terceiro grão mais plantado (em ha), atrás apenas da soja e do milho. Independente da variedade ou cultivar, o cultivo de feijão é conhecido por sua complexidade de manejo, especialmente em regiões de agricultura intensiva, com temperaturas amenas e elevada umidade relativa do ar, fato que favorece o desenvolvimento de doenças na cultura.

Não consegue ler agora? Aproveita então para ouvir a versão em áudio deste post no player abaixo:

Considerada uma cultura sensível a pragas, doenças e condições ambientais, certos cuidados são necessários na fase de implantação da lavoura de feijão para a obtenção de altas produtividades do grão. Fatores como clima, fertilidade do solo, cultivar, hábito de crescimento, sistema de produção e resistência a pragas e doenças devem ser levados em consideração no início da implantação da lavoura.

O cuidado com todos esses pontos são fundamentais para garantir um adequado estande de plantas, estabelecimento da lavoura e rentabilidade do cultivo, contudo, tanto pragas quanto doenças devem receber atenção especial durante o ciclo de desenvolvimento do feijoeiro. Independente da época de semeadura do feijão, 1ª safra 2ª safra ou 3ª safra deve-se estabelecer certos cuidados nos estádios iniciais da lavoura.

Condições de elevada umidade do solo além de prejudicar o estabelecimento da lavoura favorecem o desenvolvimento de doenças fúngicas a exemplo da Fusariose. Popularmente conhecida como Podridão-radicular-seca (Fusarium solani) essa doença causa lesões no colo da planta, podendo causar destruição das raízes primárias impossibilitando a absorção de água e nutrientes do solo, refletindo na morte de plantas e redução do estande (Wendland; Lobo Junior; Faria, 2018) .

Figura 1. Sintomas típicos de Podridão-radicular-seca (Fusarium solani) nas raízes de feijoeiro-comum.

Foto: Murillo Lobo Junior

Doenças como a Antracnose (Colletotrichum lindemuthianum), e a Podridão-radicular de Rhizoctonia solani também são comuns em algumas áreas de produção do feijão nos estádios iniciais do estabelecimento da cultura. No caso da Antracnose, o patógeno é capaz de infectar as sementes, provocando sintomas como a formação de pequenas lesões escuras nos cotilédones e lesões superficiais ou deprimidas no hipocótilo. Já a Rhizoctonia solani, quando a infecção ocorre no estágio de plântula, o fungo produz lesões deprimidas de forma irregular, com a cor castanho-avermelhada na base do caule, que resultam em morte de boa parte do sistema radicular e/ou tombamento das plântulas (Wendland; Lobo Junior; Faria, 2018).

Dentre as possíveis práticas de manejo para controle dessas doenças, podemos destacar o uso de sementes certificadas (livre de patógenos e de boa qualidade física, fisiológica, genética e sanitária), a semeadura e implantação da cultura em áreas bem drenadas, a boa e velha rotação de culturas e principalmente, o tratamento de sementes com fungicidas específicos para o controle dessas doenças.

Figura 2. Sintomas de Antracnose em plântulas de feijoeiro-comum.

Foto: Adriane Wendland

Além da alta suscetibilidade a doenças, pragas iniciais também são problema para o cultivo de feijão. Insetos como o Gorgulho-do-solo (Teratopactus nodicollis); coros, lagarta-rosca (Agrotis ipsilon); Lagarta-elasmo (Elasmopalpus lignosellus), Spodoptera (Spodoptera frugiperda) e larva-alfinete (Diabrotica speciosa) podem causar sérios danos a plântulas de feijão. Os danos variam em função das pragas, mas pode ocorrer desde destruição das raízes da plântula a seu corte a nível do solo.

Figura 3. Danos de Spodoptera frugiperda em plântulas de feijão.

Foto: Eliane D. Quintela

Dentre as principais consequências do ataque de pragas no início do desenvolvimento da cultura podemos destacar a redução do estande de plantas, implicando diretamente no número de plantas por metro quadrado. Além dessas, outra praga que causa sérios danos a cultura é a Mosca-branca (Bemisia tabaci). Considerada uma praga sugadora, seus principais danos não estão relacionados a sucção de seiva das plantas, mas sim a transmissão do vírus do mosaico-dourado “Bean Golden mosaic virus” e mais recentemente observado o carlavírus “Cowpea mild mottle virus”. Os danos são mais significativos quanto mais jovem a planta for infectada pelos vírus, podendo ocorrer perda total da produção (Quintela & Barbosa, 2015).

Assim como para o controle de doenças de início de ciclo do feijão, o tratamento de sementes exerce significativo efeito para o controle de pragas iniciais, sendo assim, deve-se aliar ao tratamento de sementes com fungicidas, inseticidas para controle dessas pragas. Além do uso desses produtos no tratamento de sementes, é fundamental atentar para a qualidade desse tratamento.

Além de todos esses cuidados citados anteriormente (sementes de qualidade, tratamento de sementes, controle de pragas e doenças…), deve-se atentar para a profundidade de semeadura e distribuição de sementes para o cultivo do feijão, utilizando populações adequadas, com base nas recomendações técnicas da empresa detentora da tecnologia (produtora da semente). Elevadas profundidades de semeadura podem dificultar a emergência das plantas de feijão, retardando o estabelecimento da lavoura. A recomendação geral é utilizar 3 a 4 cm de profundidade em solos argilosos ou com umidade adequada, e, 5 a 6 cm em solos arenosos, em virtude da evaporação (perda) de água mais rápida, especialmente em sistemas sem palha na superfície. Em plantio realizado com solo frio, deve-se optar por profundidade de 3 a 4 cm (Comissão Técnica Sul-Brasileira de Feijão, 2012).

Figura 4. Emergência de plântula de feijão.

Emergência de plântula de feijão

Fonte: Agroclima by Climatempo

Outro fato importante sobre o cultivo de feijão, deve-se atentar para o manejo e controle de plantas daninhas, uma das principais estratégias é realizar a implantação da lavoura “no limpo”, especialmente se tratando de lavouras sob sistema de plantio direto. A estratégia favorece o estabelecimento da cultura, antes que ocorra mato competição com plantas daninhas, mas atenção, é essencial identificar as principais espécies de daninhas presentes na área de cultivo, visando determinar o período ideal para controle delas sem que ocorram interferências na produtividade do feijoeiro.

No sistema plantio direto, o uso abundante de palhada residual auxilia no controle de plantas daninhas, atuando especialmente nos fluxos de emergência de espécies fotoblásticas positivas, as quais necessitam de luz para emergir. Como visto anteriormente, uma série de fatores podem intervir no estabelecimento da lavoura de feijão, sendo assim o cuidado com a lavoura nos estádios iniciais do seu desenvolvimento é indispensável para a obtenção de adequadas populações de plantas e boa produtividade da lavoura.

Referências:

AGROCLIMA. Principais doenças da cultura do Feijão. Agroclima by Climatempo.

CTSBF – COMISSÃO TÉCNICA SUL-BRASILEIRA DE FEIJÃO. INFORMAÇÕES TÉCNICAS PARA O CULTIVO DE FEIJÃO NA REGIÃO SUL BRASILEIRA, 2012.

QUINTENA, E. D.; BARBOSA, F. R. MANUAL DE IDENTIFICAÇÃO DE INSETOS E OUTROS INVERTEBRADOS PRAGAS DO FEIJOEIRO: 2° EDIÇÃO ATUALIZADA. Embrapa, Documentos, n. 246, 2015.

VERZUTTI, J. PLANTAÇÃO DE FEIJÃO: CUIDADOS NA HORA DE SEMEAR! Agropos.

WENDLAND, A.; LOBO JUNIOR, M.; FARIA, J. C. MANUAL DE IDENTIFICAÇÃO DAS PRINCIPAIS DOENÇAS DO FEIJOEIRO-COMUM. Embrapa, 2018.

Últimos posts

Estratégias de Colheita e Pós-Colheita para Culturas de Verão

Estratégias de Colheita e Pós-Colheita para Culturas de Verão

Conhecer as estratégias de colheita específicas para cada cultura é fundamental para a garantia de máxima qualidade do produto. Uma das principais dicas é conhecer o momento ideal para a colheita, levando em consideração fatores como o estágio de maturação da planta e...

Entenda o Papel dos Macronutrientes na Nutrição das Plantas

Entenda o Papel dos Macronutrientes na Nutrição das Plantas

Os nutrientes são elementos químicos essencialmente requeridos pelas plantas para que estas possam crescer, desenvolver e deixar descendentes. Hoje, existem 17 elementos cuja essencialidade foi comprovada pela pesquisa: C, H, O, N, P, K, Ca, Mg, S, B, Cl, Cu, Fe, Mn,...

Maximizando a Produtividade da Soja no Sul com Soluções Stoller

Maximizando a Produtividade da Soja no Sul com Soluções Stoller

Maximizar a produtividade da soja no Sul do Brasil é um desafio diante das situações climáticas da região. E para atingir esse objetivo, é essencial a implementação de estratégias agronômicas e tecnologias inovadoras, visando não apenas ao aumento quantitativo, mas...

Fertilizante Foliar: O que é e Como Aplicar

Fertilizante Foliar: O que é e Como Aplicar

Fertilizante Foliar: O que é e Como Aplicar   O fertilizante foliar é um aditivo agrícola que, na agricultura moderna, emerge como uma ferramenta essencial no arsenal de qualquer produção agrícola. Além de melhorar significativamente a saúde geral das...

Nutrição foliar: o que é e como fazer  

Nutrição foliar: o que é e como fazer  

A nutrição foliar é uma técnica na agricultura, que possibilita o fornecimento direto de nutrientes às plantas através das folhas. Esta prática é uma evolução de métodos aprimorada com a ciência agrícola atual. Representa uma abordagem complementar à nutrição...

Como facilitar a fixação do nitrogênio pelas plantas?

Como facilitar a fixação do nitrogênio pelas plantas?

Realizar a fixação biológica do nitrogênio (FBN) em seu cultivo é uma prática fundamental e que contribui diretamente para o crescimento e desenvolvimento saudável das plantas. Afinal, a presença do nitrogênio é fato vital para a síntese de proteínas e de outros...

Como a biorregulação otimiza o desempenho das plantas?

Como a biorregulação otimiza o desempenho das plantas?

Em um cenário agrícola cada vez mais desafiador, otimizar o desempenho das plantas é uma meta essencial para garantir produtividade, qualidade e sustentabilidade. Uma abordagem inovadora e eficiente que tem ganhado destaque entre os profissionais com conhecimentos...

Inoculação na agricultura: o que é e como fazer  

Inoculação na agricultura: o que é e como fazer  

A agricultura é um dos pilares fundamentais da economia global e demanda constantes inovações e práticas aprimoradas. Dentro deste contexto, a inoculação é uma estratégia de destaque na promoção do crescimento vegetal. Neste artigo, você entenderá: o que é a...

Compartilhar:

0 comentários

Recommended
Após o plantio e durante o ciclo de desenvolvimento da…
Cresta Posts Box by CP